Análise de Custos: O que é, tipos e como fazer

analise de custos o que e tipos como fazer

A análise de custos é uma das tarefas gerenciais mais importantes para garantir a saúde financeira de um negócio.

Como o nome sugere, estou falando sobre um estudo minucioso dos gastos da empresa, considerando os desembolsos ligados à produção, vendas e administração. 

Com esse relatório completo, o gestor consegue avaliar se os recursos estão sendo utilizados de forma eficiente para gerar receita ou se é preciso cortar gastos ou investir mais em determinada atividade ou produto. 

Quer entender melhor a análise de custos e seus diferentes tipos?

Então, siga a leitura e veja como aplicar a metodologia na sua empresa. 

O que é análise de custos?

Análise de custos é um método utilizado pelas empresas para entender o comportamento de seus gastos e otimizar a gestão financeira. 

Em qualquer negócio, existem quatro tipos de gastos diferentes:

  • Custos fixos: gastos recorrentes que não variam conforme volume de produção, como o aluguel do escritório e a folha de salários
  • Custos variáveis: gastos que variam conforme o volume de produção, como a matéria-prima da produção e impostos cobrados sobre o faturamento
  • Despesas fixas: despesas administrativas fixas, como o IPTU do escritório, serviços de limpeza e segurança
  • Despesas variáveis: despesas administrativas que variam conforme o resultado das vendas, como as comissões de vendedores.

Com a análise de custos, é possível avaliar cada um desses custos e despesas e, então, verificar se a empresa está aplicando seus recursos de forma eficiente ou se há espaço para fazer cortes e redirecionar gastos.

No caso, os custos e despesas fixos são mais simples de analisar, pois apresentam quase sempre os mesmos valores.

No entanto, o estudo fica mais complexo para os gastos que variam conforme a produção. 

Para que serve uma análise de custos?

A análise de custos serve para conhecer os gastos da empresa e otimizar os métodos de custeio utilizados no financeiro, na contabilidade e na controladoria.

Ela é uma das atividades essenciais do planejamento, pois mostra a situação do negócio em relação ao uso dos recursos e permite ao gestor fazer projeções, planejar investimentos e corrigir qualquer distorção. 

Para garantir a saúde financeira da empresa, não basta olhar para o faturamento ou volume de vendas: é preciso entender quais são os custos da operação e produção.

Se os custos estiverem muito altos em relação ao faturamento ou mal distribuídos, a receita da empresa não será suficiente para cobrir todos os gastos e ainda gerar o lucro esperado. 

A análise de custos também é essencial para orientar a precificação correta de produtos e serviços, além de revelar quais itens do catálogo contribuem mais ou menos para pagar as despesas do negócio. 

Quais são os tipos de análises de custos?

análise de custos quais são os tipos de

Existem basicamente três tipos de análises de custos utilizadas por profissionais de contabilidade e finanças: por absorção, direto ou variável e baseado em atividade.

Explico melhor cada um deles abaixo.

Por absorção

O método de custeio por absorção, também chamado de custeio integral, se baseia na premissa de que cada produto vendido deve absorver uma parte dos custos diretos e indiretos da empresa.

Além de considerar os custos diretamente relacionados aos produtos, como insumos e matérias-primas, essa análise também faz o rateio de outros gastos (aluguel, manutenção, impostos, etc.) com a produção.

Assim, é possível chegar ao custo unitário total dos produtos, considerando todos os gastos para manter um negócio. 

A análise por absorção é muito útil para medir o impacto da produtividade nos custos dos produtos.

Quanto melhor for a produção, menor será o custo unitário do que é produzido – e maior será o lucro da empresa.

Atualmente, esse é o único sistema de custeio aceito pela legislação brasileira para produzir relatórios contábeis oficiais, como o Demonstrativo do Resultado do Exercício (DRE). 

Direto ou variável

A análise de custos direta ou variável leva em consideração apenas os custos variáveis que vimos anteriormente. 

É um método muito usado por empresas do comércio e da indústria, devido à sua simplicidade e objetividade.

Basicamente, essa análise reúne somente os custos que variam de acordo com o volume de produção e vendas, como matérias-primas, insumos e embalagens. 

Esses custos se dividem em três categorias, de acordo com o setor da empresa:

  • CPV (Custo dos Produtos Vendidos) para produtos fabricados no setor industrial
  • CMV (Custo das Mercadorias Vendidas) para produtos revendidos pelo comércio
  • CSV (Custo dos Serviços Vendidos) para atividades do setor de serviços. 

Com o custeio variável, é possível calcular a margem de contribuição de cada produto ou serviço da empresa e entender o quanto cada item contribui com as despesas do negócio. 

Baseado em atividade

O custeio baseado em atividade, conhecido como método ABC, parte do princípio de que os gastos da empresa são gerados pelas atividades desempenhadas.

Logo, seu objetivo é rastrear os custos de cada atividade realizada no negócio e verificar como essas ações influenciam na geração de receitas e consumo de recursos.

Por exemplo, em uma fábrica de eletrodomésticos, são realizadas atividades como comprar peças, montar equipamentos, fazer testes e embalar os produtos finais.

Cada uma dessas ações gera custos específicos que podem ou não estar ligados à produção, e o método ABC permite identificar exatamente quais gastos estão relacionados a cada atividade.

Dessa forma, é possível contornar a imprecisão do rateio realizado pelo método direto, atribuindo corretamente os gastos a cada etapa da produção. 

Qual a importância da análise de custos para um negócio? 

análise de custos qual a importância para um negócio

A análise de custos é imprescindível para alcançar o sucesso financeiro em qualquer negócio.

Na sequência, falo sobre algumas funções do custeio para comprovar essa afirmação. 

Analisar a saúde financeira

A análise de custos mostra como a empresa tem utilizado seus recursos para gerar receita, dando ao gestor uma visão realista da situação financeira.

Tecnicamente, uma empresa com a saúde financeira em dia deve ter custos equilibrados e aproveitar seus recursos com máxima eficiência.

Além disso, deve gerar receita suficiente para cobrir todos os gastos e ainda alcançar uma boa margem de lucro para sócios e acionistas.

Tomar decisões mais assertivas 

Tomar decisões sobre custos sem utilizar um método de custeio é a receita para o fracasso.

Um erro muito comum é não conseguir identificar produtos e atividades que geram um custo muito alto em relação à receita proporcionada. 

Além disso, sem o custeio adequado, fica difícil cortar gastos onde for necessário e investir onde há potencial. 

Por isso, analisar os custos é obrigatório para fazer o planejamento financeiro e garantir uma tomada de decisão assertiva.

Reduzir custos

Uma das principais funções da análise de custos é justamente reduzir esses custos.

Afinal, quanto menores os gastos para produzir e vender, maior será o lucro da empresa a partir de seu faturamento.

O ponto de atenção aqui é conseguir reduzir os custos sem afetar a qualidade dos produtos e serviços ou a eficiência do atendimento

Com a análise de custos, é mais fácil enxergar onde é possível cortar gastos e onde é preciso continuar investindo. 

Melhorar a produtividade

A empresa que conhece seus custos e sabe quais atividades rendem mais consegue melhorar significativamente sua produtividade. 

Basta pensar que os recursos se direcionam para os produtos e funções certas, tornando a produção mais eficiente e eficaz.

Como se faz uma análise de custos?

análise de custos como se faz

Os métodos de análise de custos que acabei de mostrar têm aplicações diferentes na rotina da empresa, mas uma base em comum.

Em todos eles, é preciso iniciar a análise separando os quatro tipos de gastos (custos e despesas fixos e variáveis).

No método de custeio por absorção, por exemplo, é preciso determinar um critério para ratear os custos fixos entre os produtos, como o tempo de produção e a hora-homem.

Já no método de custeio variável, basta isolar os custos variáveis e calcular o custo unitário de cada produto com base em gastos com matéria-prima e insumos. 

De todos, o método baseado em atividade é o mais complexo, pois é preciso mapear todas as atividades que compõem o processo do negócio, definir custos dos recursos de cada etapa e estabelecer direcionadores de custo para entender a quantidade de trabalho aplicada em cada função.

Nos três casos, você terá uma ideia dos custos associados à produção da empresa e poderá avaliar o desempenho financeiro com base nos gastos. 

Conclusão

Agora que você conhece os diferentes tipos de análises de custos, não pode deixar de avaliar a fundo os gastos do seu negócio.

Como vimos, toda empresa que se preocupa com a saúde financeira e pretende crescer precisa ficar de olho nos custos e focar nas atividades e produtos que rendem maiores lucros. 

Com os métodos de custeio, você poderá utilizar seus recursos de forma inteligente, precificar melhor e garantir um resultado positivo no caixa da empresa.

Gostou de conhecer melhor os métodos de análise de custos?Continue acompanhando os conteúdos do Patrimonium Thinking para mais dicas de gestão.

Márcio Bento

Contador, CEO da Patrimonium Contabilidade, fundada em 2011. Já atendeu mais de 1.000 clientes em 23 estados, com 15 anos de experiência na área.

Criado e desenvolvido por Olah Comunicação Digital.